VAMOS EMAGRECER

Jorge Melo

Jorge V. E. R. de Melo

Consultor de Comunicação

Se queremos conservar alguma saúde devemos começar por atingir um peso equilibrado.

Surgem aqui as primeiras dificuldades, porquê?

  1. O que é peso equilibrado?
  2. O que é conservar?
  3. O que é saúde?

O peso equilibrado consegue-se saber, consultando uma tabela que relaciona a idade com a altura da pessoa.

Até aí, é fácil de entender. Pesamo-nos, comparamos com a tal tabela e assim ficamos a saber quanto temos que engordar ou emagrecer.

O grande problema surge quando queremos atingir o peso que nos aconselham, mas pior ainda é conseguir manter o tal peso.

É que o homem é um animal sensível, aproveita todos os sentidos para recolher algum prazer, portanto, quando come considera vários sentidos:

- A visão. Porque o aspeto da comida ativa o apetite;

- O olfato. aquele cheirinho… por vezes, faz-nos perder a cabeça;

- O tato. Quem não aprecia apalpar um pão estaladiço ou partir a pele do leitão assado!

- Mas o paladar é que provoca o pecado da gula.

Vai ser difícil conservar o peso com estes quatro sentidos bem apurados.

Agora reparem que o terceiro ponto, saúde, é ainda mais difícil de equilibrar porque se tratamos o corpo, com os sacrifícios exigidos, (não comer doces, nem fumados, nem bebidas alcoólicas, evitar as carnes vermelhas e as gorduras, etc.), estamos realmente preocupados com o corpo mas a mente vai sofrendo perigosamente.

Existe um ditado que nos ajuda a entender isto:

«Quando um pássaro está vivo, come as formigas, mas quando morre, são as formigas que o comem.» (Inserido por Micaela Almeida no “Pensador”).

É que se não formos cuidadosos, equilibrados, com esta coisa das dietas, ainda acabamos por morrer da cura.

A este propósito vou contar-vos uma história passada comigo.

Quando me reformei, nos primeiro seis meses engordei oito quilos. É que o meu último ano de trabalho foi bastante estressante porque havia uma Ministra que editava Circulares de tal forma mal redigidas que tínhamos de telefonar para a Delegação Regional pedindo ajuda.

Lá chegávamos a acordo com significado daquilo e eu, naturalmente, pedia para me enviarem uma mensagem com aquelas conclusões. A pessoa que estava do outro lado da linha imediatamente me respondia que não tomava essa responsabilidade. Só que no dia seguinte lá vinha outra circular mais percetível e assim íamos sobrevivendo. Isto era de dar em doido…

Até que um belo dia chegaram a corrigir três vezes uma mesma Circular que continuou ambígua e aí eu fiquei tão possesso que me dirigi à secretaria pedindo a reforma por muito que perdesse. Passados uns meses lá me vim embora.

Só que a mudança da tensão permanente para o descanso total, provocou a minha acumulação de gorduras.

Então resolvi pedir uma consulta na Médica de Família que é uma pessoa simpatiquíssima e me foi dizendo para comer menos e fazer mais exercício.

Aí eu perguntei-lhe:

- Ó Dr.ª! Então não existe um medicamento que evite tanto sacrifício?

E ela respondeu-me:

Meu caro, existem muitos medicamentos para essas situações, mas o mais eficiente, até infalível, é fazer exercício e deixar de comer.