Porquê férias?

Jorge Melo

Jorge VER de Melo

Consultor de Comunicação

O dia-a-dia de qualquer cidadão trabalhador é geralmente desgastante, física e psicologicamente. Torna as atitudes mecanizadas, logo, pode diminuir a criatividade e a produtividade o que resulta, com o tempo, em pessoas menos felizes, menos saudáveis, em suma, mais stressadas.

Portanto, temos que fazer férias para interromper esse ciclo e evitar os problemas inerentes, não só como prémio da nossa aplicação e interesse pelo trabalho mas sobretudo para o merecido descanso.

Foi então criado o Decreto-Lei 100/99 de 31 de março que iniciou esta geração de Decretos-Lei, vindo assim a regularizar o regime de férias até aos nossos dias.

“Descansar” em férias não só tem o significado de preguiçar, mas sobretudo repousar, “desligar” das atividades diárias nem que façamos outras tarefas que nos cansem mais.

Por exemplo:

- Fazer aquilo que antes não tivemos oportunidade, incluindo um desporto de eleição;

- Caminhar de manhã cedo ou ao fim da tarde;

- Realizar quaisquer bricolages ou trabalhos artísticos;

- Praticar atividades culturais como visitar locais próprios, música, pintura e outros;

- Iniciar uma dieta de frutas e legumes sem grande sacrifício;

- Sair da rotina;

- Sair da codificação das horas de trabalho;

- Aproveitar o sono reparador do cansaço e das insónias anteriores;

- Namorar;

- Apanhar sol na medida saudável, a certas horas do dia e durante determinado tempo;

- Realizar novas experiências;

- Estar com a família e amigos.

Estas são apenas algumas sugestões que poderão ser aproveitadas com resultados surpreendentes. Todas elas têm efeitos cerebrais e físicos benéficos para a nossa saúde.

Ao dormirmos poucas horas e executarmos várias tarefas ao mesmo tempo, afetamos o nosso cérebro por cansaço criando situações de stresse que originam problemas cardíacos. Por isso devemos procurar apanhar sol que nos ajuda a combater o estado depressivo e fortalece o sistema imunológico. As frutas e os legumes equilibram a saúde e dão bem-estar geral.

Quem convive com a família e com os amigos fica mais paciente e bem-disposto. As novas experiências aumentam a competência pessoal dando confiança e autoestima. Tudo isto se reflete mais tarde no trabalho com melhor disponibilidade na produtividade e na carreira.

Depois das férias fica-se com menos reações emocionais, maior empenho profissional e mais criatividade.

As férias em família são a melhor forma de alicerçar a instituição familiar que no nosso entender é onde se encontram as raízes de um povo. Esta experiência reúne as pessoas e inadvertidamente leva-as a funcionar em equipa sentindo na pele o que de bom e de mau se passou naqueles dias. Isso tem a vantagem de desenvolver novas ferramentas e aprendizagens úteis ficando as pessoas mais tolerantes, flexíveis e desenrascadas.

Cria-se uma memória coletiva com as histórias dos acontecimentos bons e maus pelo facto de saírem da zona de conforto, mas aproxima melhor os laços afetivos e ajuda a dar mais valor ao que possuímos em cada elemento da família e no nosso lar.

- As férias em família dão melhor formação aos nossos filhos e a nós próprios.

Não acham?