Os Jovens, os Jotas e os Adultos

António Fernandes

António Fernandes

Chefe de Serviços de Multinacional de Telecomunicações

A juventude tem acompanhado com empenho e dedicação, até porque, é parte interessada, uma vez que, a soma das partes que compõem o todo social, a engloba e, dela exige a correspondente participação naquilo que é o ciclo da vida organizada nas sociedades modernas.

 

A juventude, a que corresponde um ciclo etário entre os dezoito anos – ano em que atinge a maioridade – até aos trinta anos de idade – anos em que se convencionou o jovem atingir a fase adulta – tem, no atual contexto social, responsabilidade acrescida na organização de uma sociedade diferente daquela que foi a organização social dos seus progenitores.

Desde logo porque, os limites etários no plano do tempo médio de vida aumentaram significativamente provocando implicações diretas no sistema financeiro nacional em domínios como:

– aumento da comparticipação estatal no pagamento de pensões e de reformas;

– aumento dos encargos públicos com a saúde;

– aumento dos encargos públicos de investimento em equipamentos;

– aumento de encargos públicos no apoio a Instituições privadas (IPSS);

– outros encargos;

Ora, a estabilidade social obriga a uma maior eficácia sobre o sistema produtivo e de consumo; sobre todas as fontes geradoras de receita para o Estado; assim como acutilância racional sobre valências de relevo social como o são: a educação; a justiça; a harmonia intra; a equidade; a interação entre todas as gerações vivas, quer sejam ativas ou inativas perante o sistema produtivo sendo que, no consumo, todas elas são ativas;

Cabe por isso à juventude cumprir com as suas obrigações sociais assumindo a transição geracional no tempo e no futuro.

 

O tecido social predominante é o do adulto que olha com desconfiança os seus descendentes sem que se saiba muito bem a razão de ser dessa desconfiança uma vez que tem toda a responsabilidade sobre a descendência geracional a que deu vida e a quem deixa o atual legado que é um legado complexo mas, com desafios elevados e as ferramentas necessárias para atuar com eficiência em todos esses desafios.

 

O adulto de hoje, cidadão comum, desconfia dos efetivos interesses que movem a juventude, em particular a juventude que dá corpo aos movimentos de juventude partidários.

E, desconfia, assim como os pares desconfiam também, porque a classe politica baixou em demasia a sua própria fasquia em dominios demasiado importantes como o são:

– a credibilidade;

– a seriedade;

– as causas sociais;

– o serviço publico que prestam;

– outros;

Ao ponto de haver quem pense serem as “Jotas” uma espécie de escadote por onde se sobe para que os seus membros melhor e, mais facilmente, consigam concretizarn objetivos pessoais que nada tem que ver com os ideias defendidos pelas organizações politicas a que são afetos.

 

O facto é que ao cidadão comum assiste o direito, em democracia, de formar juizo de valor que associe a comportamento e, tem ,alguma razão.

De facto, as “Jotas”, não sendo “escolas de crime organizado”, como alguém já escreveu, orientado especificamente para o poder, são, “escolas” em que alguns oportunistas conseguem fazer carreira e vir a ocupar cargo que não prestigia de forma nenhuma. Nem o cargo, nem a classe aonde ingressou.

 

Simplesmente, o movimento juvenil abrange um leque de intervenção publica, politica e social, tão vasto quão vasta é a razão.

Os movimentos de jovens são uma fonte de energia social incomparavel.

Desde:

–  a educação;

–  a cultura em todas as suas formas de expressão;

–  a luta pelos seus direitos; a capacidade de organização;

–  o acreditar que é possivel construir um mundo melhor; a sua relação com a familia;

–  a intervenção e interação civica;

–  as causas e os valores da solidariedade;

–  outros;

A juventude sabe muito bem que para levar por diante a construção do presente e do futuro necessita de se organizar politica e socialmente construindo assim o alicerce da transição social que ocorre em permanencia porque as necessidades da vida contemporanea são ajustadas ao meio consoante o desenvolvimento da qualidade de vida das comunidades o vai exigindo.

 

A juventude não vira costas aos desafios dos seus progenitores.

Dá-lhes continuidade e aperfeiçoa-os para que “o mundo pule e avance, como bola colorida, nas mãos de uma criança”. Como escreveu Gedeão.

Autor:

António Fernandes