Operação “surpresa” da GNR na zona transfronteiriça de Ponte da Barca

O Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo realizou, no dia 17 de dezembro, a Operação Fronteira Segura. A ação, ordenada pelo Comando Operacional da GNR, visou prevenir e repreender atividades ilícitas. Ao todo, participaram nesta operação 115 militares e quatro inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Viana do Castelo.

A zona transfronteiriça de Lindoso, Ponte da Barca, foi um dos alvos da Guarda. Em Vila Nova de Muía esteve posicionada, no dia 17 de dezembro, desde bem cedo, uma musculada patrulha (dezena de agentes) da GNR, atenta ao tráfego, aos condutores e às bagagens. Mas outros militares foram mobilizados para fiscalizarem, igualmente, as ligações à vizinha Galiza através das pontes internacionais que ligam os concelhos de Melgaço, Monção, Valença e Vila Nova de Cerveira. Na mira da GNR esteve, também, o troço entre Viana do Castelo e Valença referente à ligação ferroviária entre a capital do Norte de Portugal e Vigo, que é assegurada pelo comboio Celta.

O tenente-coronel António Melo referiu à comunicação social que esta foi uma operação “surpresa”, com a finalidade de “mostrar o compromisso que a GNR tem para com a população da região, garantindo a segurança de pessoas e bens.” Tratou-se, acrescentou, de uma “operação multifacetada, versátil e musculada, realizada em vários locais” para criar “instabilidade a quem comete ilícitos criminais.”

Durante a operação foram fiscalizadas 2781 pessoas e 498 bagagens, que originaram dois autos de crime por condução sem habilitação legal, seis autos de contraordenação e duas detenções. No decorrer da operação, segundo aquele responsável, “foram, ainda, fiscalizados seis cidadãos de origem francesa, cinco tunisina, quatro marroquina e cinco chinesa, que levantaram dúvidas quanto à sua legalidade documental, mas que não se confirmaram.”

 1