O que diz o Anuário Financeiro sobre as contas do Município de Arcos de Valdevez

O Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses’2016, que já vai na 13.ª edição, volta a analisar a saúde financeira das 308 câmaras nacionais, a partir de rankings relativos ao exercício económico de 2016.

Segundo o documento publicado no passado dia 24 de julho, o Município de Arcos de Valdevez, pelo quinto ano consecutivo, prossegue o seu caminho de recuperação económico-financeira, tendo registado, em 2016, um resultado líquido de 1 317 847 euros. O “apertar do cinto” começou, recorde-se, no derradeiro mandato de Francisco Araújo, quando o ex-edil empreendeu, a meio do quadriénio, uma política de forte contenção financeira – só em um ano, entre dezembro de 2012 e dezembro de 2013 (já com os eleitos do atual exercício em funções por esta altura), o endividamento municipal baixou cerca de 5 milhões de euros.

Outro indicador positivo é que, de 2015 para 2016, a dívida a terceiros, por conta de empréstimos e várias outras rubricas, passou de 9 996 489 euros para 8 094 008 euros, o que equivale a uma amortização de 1 902 481 euros. No mesmo lapso temporal, o índice de dívida total do Município de Arcos de Valdevez evoluiu positivamente de 54,5% (em 2015) para 39,1% (em 2016). Apesar dos progressos verificados, no ranking global dos cem melhores municípios em eficiência financeira, Ponte de Lima é a única autarquia do distrito que integra a lista, posicionando-se no 17.º lugar dos municípios da sua dimensão.

Por outro lado, com base nos documentos de prestação de contas, o Município de Arcos de Valdevez posicionou-se, em 2016, no primeiro lugar do ranking distrital (e 27.º na lista geral) das edilidades que apresentaram menor peso das despesas com pessoal (no caso, 22,2%) relativamente às despesas totais.

Por fim, constata-se que o Município de Arcos de Valdevez não consegue estancar a perda gradual de população, que se reduziu de 21 621 habitantes (em 2015) para 21 324 residentes (em 2016), ou seja, menos 297 indivíduos em um ano. Para se ter uma ideia da regressão demográfica, basta lembrar que, em 2006, havia 24 466 pessoas domiciliadas nos Arcos.

O Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses’ 2016 pode ser consultado online.