Na Mira dos Ultras!

António Fernandes

António Fernandes

Chefe de Serviços de Multinacional de Telecomunicações

Quando o poder se lhes escapa não olham a meios para atingir os propósitos sejam eles quais forem Os meios que, os propósitos, estão definidos por princípio ideológico por mais que o não queiram admitir.

Já nem sequer se preocupam em esconder as intenções com as camuflagens que descortinam e melhor ajuízam ser a apropriada para o assalto que querem final, mas que, para o bem das comunidades e das civilizações, encontra resistência nas forças cívicas que estoicamente se batem por princípios que querem façam as regras de uma civilização moderna num mundo que caminha a passos largos para a sustentabilidade racional resistindo a todos aqueles que querem o caos para reinar a seu belo prazer.

Atuam despudoradamente em busca do caos e em todos os cenários possíveis e imaginários. Sejam eles de âmbito nacional ou internacional porque os interesses da extrema-direita instalada nas franjas dos movimentos políticos e cívicos não perdoa o progresso social conseguido e que cada vez mais coloca em causa os seus “coutos” de domínio num mundo em que a partilha dos recursos é, cada vez mais, uma condição incontornável.

Desde as bancadas da assembleia da república, autarquias locais, tribunais, meios de comunicação audiovisual e escrita, partidos políticos, associações, entre outros, todos se movimentam num único sentido: o de ocupar o poder institucional pela via do poder pessoal.

Sem qualquer pingo de vergonha ou indício de escrúpulos anunciam inclusive, cenário de futuro pessoal vitorioso e o das pessoas acalipto se o seu não for bem-sucedido.

Nesta teia de hipocrisia sustentada por agentes sem decoro os mais incautos tem de se prevenir.

Tem de se prevenir porque já não podem ser convidados para um café, um jogo de cartas ou de futebol, um almoço ou um jantar, um convívio seja ele o motivo qual for, um casamento ou batizado, ou um outro qualquer evento, sem ter olhar sobre o ombro porque já não confiam numa sociedade que apodrece a uma velocidade estonteante.

Os últimos acontecimentos locais e nacionais são a evidência de que, mesmo em democracia, os ultras não desistem. Nunca!

Se no plano local sabemos as “linhas com que nos cosemos”, no panorama nacional é-nos exigida uma maior dimensão na perceção de algumas ocorrências como o são os casos: Vieira da Silva e Mário Centeno.

Ora, para todos os ultras, como já foi referido, o que está em causa é o assalto ao poder institucional pela via do poder pessoal.

Ou seja; Derrubar um Governo que é já um exemplo para o Mundo através de todos os meios sejam eles quais forem.

Assim sendo, o Governo da Republica está na “mira de fogo” de todos os ultras que pululam por aí. Seja nos media, nos partidos políticos ou, em outro setor qualquer.

A nova direita ultra reacionária tem uma forma de operar distinta para os vários segmentos sociais sendo que se centra com maior acutilância em três vertentes: a juventude; as famílias mais carenciadas; o segmento social com maior dependência social;

Daí a emersão internacional do populismo como conduta política corrente em que escondem o pendor ideológico por de trás de práticas de faz de conta que são todos bons rapazes com soluções para tudo aquilo que são as dificuldades de vida dos cidadãos em geral.

Em simultâneo, no tecido económico e financeiro, agem de forma desabrida e desbragada sobre todos os seus colaboradores sem ética nem valores que os parem.

A conjuntura económica nacional e internacional é-lhes favorável porque sendo os responsáveis por todas as crises instaladas sabem de antemão quando é o momento certo para a estocada final no tempo de um tempo em que urge reorganizar o pensamento político da esquerda democrática.

Uma esquerda que se esvai com a alteração do escalonamento social em que o operariado tradicional desapareceu e a classe media passou a ser o “proletariado” do presente.

Em que, a falta de ajustamento dos procedimentos políticos à nova realidade social e política, tem operado autentica razia nas organizações político-partidárias da esquerda democrática como o comprovam as alterações no panorama político-partidário Europeu.

Nesta circunstância factual, Portugal, aparece na mira dos ultraconservadores internacionais por “furar” o atual estado das coisas na Europa e no Mundo.

Autor:

António Fernandes
Fevereiro 9, 2018