"Música para ouvir de olhos abertos" | Encontro tertuliano e Exposição

Exposição / Tertúlia

Aproveite que ainda vai a tempo...

Dia 2 de Maio, Hugo Castro, Mestre e doutorando em Etnomusicologia, veio a Viana do Castelo, a convite da Comissão das Comemorações do 25 de Abril, apresentar uma exposição de discos vinil, capas originais dos anos 60, 70 e 80. No essencial, discos de Zeca Afonso, parte de uma coleção notável, com mais de 2500 exemplares.
Seguida de uma tertúlia sobre a música na revolução "Protestos, lutas e revolução na produção fonografica em Portugal nas décadas de 60 e 70."


Muito participada, esta iniciativa, trouxe públicos de idades e gerações muito diversas, enchendo o auditório do Museu de Artes Decorativas.
Um fim de tarde povoado de memórias, curiosidades e reflexões sobre música, poesia, comportamentos e ideais envolvendo o canto e a edição de música nas gerações de Abril em Portugal.

Exposição / Tertúlia

Exposição / Tertúlia

Exposição / Tertúlia

Exposição / Tertúlia


A vida e obra de José Afonso, como motor da palestra, e a de outros autores ("cantoautores") que marcaram este período de contestação e mudança. Ainda uma reflexão de como a música e a sua divulgação aliada à palavra se pode transformar num poderoso motor de mudança, utilizada pelo mundo fora, e reveladora de grandes artistas que marcam as memórias e permitem a denúncia, São músicas de "intervenção", e o regime fascista proibia-as.

José Afonso, Fanhais, Pedro Barroso, José Mário Branco, Tino Flores, Sérgio Godinho, Adriano Correia Oliveira e tantos outros, tornam-se pedras-chaves para a compreensão da mudança grupal. Modificam o panorama da música portuguesa, amadurecem, abrem portas para uma certa projeção no mundo de ideais de resistência e combate, pela dignidade e igualdade. Antes do 25 de Abril, dentro ou fora de Portugal, estes cantores  resistem, denunciam. Depois do 25 Abril, transbordam de poesia, canto e intervenção social.

Exposição / Tertúlia

Exposição / Tertúlia

Exposição / Tertúlia

As associações de autores, as cooperativas de músicos e as editoras dão grandes passos para a produção musical em Portugal. Florescem e fenecem algumas. O tempo é de aprendizagem e mudança.

A investigação de Hugo Castro, nesta área, possibilitou uma fascinante apresentação seguida de debate final.

A exposição "Música para ouvir de olhos abertos" justifica ser visitada, no Museu de Artes Decorativas, em Viana do Castelo,  até ao dia 14 de Maio.

 Quem é Hugo Castro?