‘Muro da Vergonha’ no Lindoso

Desde abril 2016 que Carlos do Canto, morador da Freguesia de Lindoso no concelho de Ponte da Barca, tem vindo a ter o acesso para a sua residência cada vez mais vedado. No início, por uma vala que dificultava a entrada e saída para a sua casa, até que por fim tem a entrada completamente barrada.

 

Há mais de um ano e meio obstruído por um muro que não só não lhe permite entrar em casa sem ter de fazer acrobacias para atravessar e saltar o muro, com inerentes riscos físicos, mas também porque ficou com as suas quatro viaturas presas dentro da garagem.

Carlos do Canto queixa-se de represálias políticas afirmando que a construção do muro é uma vingança de Secundino Fernandes, presidente da Junta de Freguesia de Lindoso.  “Por eu me ter candidatado pela lista opositora à Junta dos Baldios”, assevera.

Muro impede circulação

O processo judicial começou em maio de 2016 na acção que moveu após a filha mais nova do requerente ter caído na vala que tinha sido construída por uma alegada fuga de água no lugar. A menina teve de receber assistência hospitalar e, segundo Carlos do Canto “o advogado do Secundino veio ter comigo para eu perdoar o julgamento comprometendo-se a fechar a vala e a parar com todos os trabalhos que estavam a ser feitos”.  Na altura o requerente assim fez acreditando de boa fé. Desistiu do processo judicial e limitou-se a só receber um valor monetário para colmatar os gastos médicos da menor.

Depois da desistência judicial, Carlos do Canto viu efetivamente a vala fechar-se, mas em seu lugar foi construído o muro. A data da sentença na qual se fazia constar que o muro devia ser demolido num prazo de 10 dias, tem data de 13 de setembro de 2017. A execução desta sentença foi adiada devido aos esclarecimentos necessários que deviam existir para determinar se a obra era da responsabilidade da Câmara Municipal de Ponte da Barca ou, se pelo contrário, era atribuída à Junta de Freguesia de Lindoso.

Muro impede circulação

No passado dia 21 de novembro a advogada de Carlos do Canto, Rosa Maria Bouças, reuniu-se em presença do novo executivo da Câmara Municipal de Ponte da Barca com ambas as partes deste processo e ali tentou-se definir uma data para a demolição do muro. O requerente e a advogada viram negado o pedido de demolição. Ao fecho desta edição do MINHO DIGITAL (MD) encontram-se por apurar quais serão as medidas a tomar pela parte acusante para ver solucionado de vez este problema que já leva mais de um ano e meio.

O MD tentou contactar Secundino Fernandes, presidente da Junta de Lindoso, para nos dar a sua versão dos fatos mas este limitou-se a dizer que “a Junta de Freguesia gostaria de dar a sua versão mas devido a este assunto estar em processo judicial não será possível colaborar”.