Diocese de Viana assinalou 40 anos da sua fundação

Na passada sexta-feira, 3 de novembro, dia exato da publicação da bula da criação da Diocese, D. Anacleto Oliveira presidiu, na Sé, à Celebração Eucarística que assinalou a abertura do Ano Jubilar comemorativo dos quarenta anos da fundação desta Igreja Diocesana. A celebração, que contou com a presença da maior parte do Presbitério vianense, começou na Igreja da Misericórdia, de onde os presentes se dirigiram em direção à Catedral, onde entraram depois do rito de abertura da «Porta Santa da Gratidão».

 

Na sua homilia, D. Anacleto começou por agradecer a todos os presentes na celebração, nomeadamente ao Sr. D. José Augusto, Bispo Emérito, aos sacerdotes, às religiosas e aos fiéis leigos que ali se encontravam em número significativo. «Essa presença valoriza ainda mais a alegria que todos sentimos neste dia em que estamos de parabéns», disse.

«Nestes quarenta anos, construíram-se as bases da existência desta Diocese. E o segredo da vida da Diocese está no amor, como nos é dito pelo Evangelho. Se não amarmos, não existimos», acrescentou o Bispo Diocesano que concretizou que a vida de tantos que estão ainda vivos e de outros que já partiram são para todos os diocesanos rosto do amor de Deus. «Esses homens e mulheres, sacerdotes e leigos, foram e são expressão viva do amor misericordioso de Deus» disse o Prelado.

De facto, disse D. Anacleto, ao longo destes quarenta anos, foram muitos os «que amaram com um amor para quem os outros é tudo, dando-se totalmente por eles; um amor que não se deixa guiar apenas pelo prazer do outro, mas acima de tudo pelo seu bem, como faz um pai ou uma mãe que, por vezes, impõe aos filhos coisas desagradáveis na certeza de que aí está o seu bem».

«É este amor que dá sentido à vida da Diocese e que nos une neste ano em que queremos agradecer, pois a gratidão é uma atitude própria de quem ama e de quem é amado como Jesus soube amar e continua a amar, dando-se na Eucaristia que alimentou tanta gente na história da Diocese, alimenta no presente e, certamente, continuará a alimentar no futuro».

 

No final da Eucaristia, teve lugar uma conferência para os sacerdotes pelo Pe. José da Silva Lima, um dos primeiros sacerdotes ordenados depois da fundação da Diocese, subordinada ao tema «A Carta Pastoral de D. Anacleto e os sacerdotes». Na sua intervenção, o sacerdote começou por recordar o contexto em que surgiu a Diocese, num tempo em que «ia emergindo a realidade da Igreja enquanto Povo de Deus e o trabalho pastoral era, essencialmente, o de acordar para uma primavera que aparecia». O Pe. José Lima lembrou ainda o labor de quantos ajudaram na construção da Igreja Diocesana e recordou que «esta é uma hora favorável para dar graças como nos convida o Bispo Diocesano na sua Carta Pastoral, uma Carta cheia de vida que merece uma leitura pausada, atenta e meditativa, para nossa “nutrição saudável”».

Em jeito de conclusão e falando em nome do Presbitério vianense, o sacerdote disse ao Bispo Diocesano: «Estamos prontos e conscientes de que precisamos de pensar novos modelos que nos permitam viver como Diocese em permanente caminho sinodal».

As celebrações prolongar-se-ão ao longo de todo o Ano Pastoral. No próximo domingo, na Sé, um jovem foi ordenado Padre e outros dois Diáconos (o primeiro grau do Sacramento da Ordem).

 

Pe. Renato Oliveira