Destruição da corda dunar de Afife

Não se consegue perceber como é que os responsáveis permitem a destruição do cordão dunar e praias, pois como é do conhecimento geral a rede Natura 2000 é um conjunto de medidas necessários para restabelecer os habitats naturais que por sua vez vão permitir que as diversas espécies que integram a flora, a fauna e a avifauna dunar, no mínimo consigam uma área suficiente para garantir os efectivos de várias espécies existentes nesse litoral.

 

Em plena crista da duna primária, colocaram um bar de apoio na praia da Arda, que embora seja servido por vários passadiços está a originar uma série de impactos que já estão a desgastar o próprio cordão dunar e a flora que servia para consolidação da duna.

A situação é incompreensível pois foram gastos milhares de euros para se minimizar o efeito negativo do pisoteio humano, criando passadiços, e agora a Câmara Municipal de Viana destruiu parte de uma duna primária, segundo nos foi referido, para criar uma estrutura a um Turismo de três meses, mostrando isto um desconhecimento total de um planeamento futuro: Será que já se estão a preparar urbanizar aquela reserva Agrícola e Ecológica?

A espectacular regressão de numerosas espécies resulta, em primeiro lugar, da deterioração dos habitats naturais mais importantes para a sua sobrevivência. Em escassos decénios, a intensificação de numerosas actividades humanas (agricultura, transportes, turismo, etc.), provocou a perda ou a fragmentação de meios naturais, deixando pouco espaço para a vida selvagem ou confinando-a a uma parte exígua do território comunitário.

Deste modo, os ecossistemas dunares  e os estuários - que são de uma importância capital para numerosas espécies - sofreram uma forte degradação na corda dunar de Afife.

Veja-se, na foto principal, a destruição do cordão dunar para criação de uma praia.

 

Na realidade o que devia contar nesta zona era o conjunto de valores culturais que esta área nos pode dar, devendo valorizar os locais históricos, como é o caso das estações arqueológicas dos períodos da pré-história. Nas limitações de quem gere o país, esqueceram-se de sinalizar, como é o caso da estação do forte do Cão ou do Caido, documentados com referências ao período da pré história.

                

 Afife  Estação do paleolítico do Caído ou Sto. Isidiro

                

A mamoa de Eireira de Afife está escondida por um intenso silvado, bastando só uma limpeza, para a poderem integrar  num, circuito histórica cultural, bem como a Cividade  Afife- Âncora que se encontra na Mamoa da Eireira que se encontra totalmente abandonada com gravuras rupestres ao longo de toda a costa, entre Carreço, Afife e Soutelo.              
   

 Afife

Mamoa da Eireira em Afife

  Cividade Afife - Âncora
Cividade Afife - Âncora ao abandono 

    

Os responsáveis escusam de se iludir, pois o litoral Norte irá ter sempre água fria, com nortadas, além dum tempo muito incerto, não sendo possível compará-lo ao turismo algarvio.

O Norte implica cultura, e se quiserem diversificá-la, os responsáveis tm de â procurar e, com isso, travar a globalização

A cultura da bicicleta (!!!) , também não resiste ao mau tempo.

Por isso, perante as ciclovias para uns ou os circuitos pedonais para outros, que por vezes se confundem, seria muito mais importante mostrar o nosso património, grande parte das vezes escondido pelas austrálias e silvados.

Teríamos assim um turismo muito mais cultural, mais diversificado, e períodos mais alargados de fixação.

Deviam-se sensibilizar as pessoas responsáveis a não destruir uma das mais belas zonas do País (Corda Litoral de Afife).

Agora esperamos que não se lembrem só da protecção, quando nada houver de património para ... proteger!...

Ver notícia relacionada oublicada em edição anterior:

http://www.minhodigital.com/news/estao-destruir-o-litoral-de

Junta-se vídeo de uma situação idêntica na Nazaré e de que já houve queixa para Bruxelas:

https://vimeo.com/217989415