CIM e Municípios do Alto Minho assinam acordos quadro para fornecimento de eletricidade, gás e combustíveis rodoviários

A Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) e os dez municípios do Alto Minho assinaram no dia 8 de setembro, em Ponte de Lima, três acordos quadro para o fornecimento de eletricidade, gás e combustíveis rodoviários com várias empresas do sector. 

Para o fornecimento de eletricidade, nomeadamente, em média tensão e baixa tensão normal e especial, foram assinados contratos com a EDP Comercial e a GALP POWER. Por seu turno, a RUBIS Energia Portugal, EDP Comercial, GALP POWER, Gold Energy e a PETROGAL ficarão responsáveis pelo fornecimento de gás natural, propano e butano. Ainda, com a BP Portugal, PETROIBERICA, REPSOL e a PETROGAL foi assinado um contrato para o fornecimento de combustíveis rodoviários a granel e em postos de abastecimento públicos.

 Refira-se que estes concursos foram lançados pela CIM Alto Minho no âmbito da Central de Compras Intermunicipal, recentemente criada ao abrigo do projeto E-GOV Alto Minho (apoiado pelo programa SAMA-COMPETE), para centralizar a contratação de empreitadas de obras públicas, de locação e de aquisição de bens móveis e serviços, tendo em vista a obtenção de preços mais competitivos e a consequente redução de custos de aquisição para a CIM, autarquias e o SMSBVC (Serviço Municipal de Saneamento Básico de Viana do Castelo). Por outro lado, pretende-se promover uma maior eficiência e eficácia, a transparência e a racionalização de modelos de organização, otimização e desmaterialização de processos e a melhoria do serviço e do relacionamento com os fornecedores.

 

A assinatura destes três primeiros acordos quadro - cuja despesa agregada ultrapassa os 7,5M€, confere aos municípios do Alto Minho benefícios que resultam na simplificação e agilização processual, bem como a inegável redução da despesa. A CIM Alto Minho e os municípios que a integram esperam ter, até ao final de 2016, através da central de compras intermunicipal, um total de seis acordos quadro celebrados que contemple uma despesa agregada superior a 20M€, estimando reduções médias de preços na ordem dos 16%.

 “Tudo o que pudermos reduzir por economia de escala é para nós relevante”, sublinhou o presidente da CIM Alto Minho, José Maria Costa, salientando que o projeto da Central de Compras do Alto Minho permitirá ganhar experiencia para a racionalização de despesas noutras áreas.

Concluída que está a primeira fase deste projeto, com a celebração dos três acordos quadro, a CIM Alto Minho pretende dar continuidade ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido e potenciar a motivação existente entre os vários participantes, servindo-se do conhecimento e da massa crítica acumulados para expandir o volume de poupanças reais, através da generalização e aprofundamento do conceito de compras eletrónicas a novas categorias de bens e serviços.