25 de Novembro foi Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres

Guias juntam vozes por um mundo sem violência.

Se este sábado, em alguma rua perto de si, ouvir o grito “Junta a tua voz por um mundo sem violência” saiba que essas vozes pertencem às Guias de Portugal e são o culminar de um projeto de educação para a cidadania que envolveu mais de 80 escolas e cerca de 5000 participantes para serem vozes ativas contra a violência.

Dia 25 de novembro foi Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres e também o término oficial do projeto “Vozes Contra a Violência”, implementado pela Associação Guias de Portugal (AGP).

No âmbito deste projeto, as Guias realizaram até à data em todo o País mais de 200 ações em cerca de 80 escolas, sensibilizando mais de 5000 crianças e jovens, com idades entre os 6 e os 25 anos, para serem vozes ativas contra a violência.

Para assinalar o marco, aquela que é a maior associação juvenil feminina em Portugal, promoveu neste sábado uma ação de mobilização para o tema da violência contra as mulheres, replicada nas várias regiões onde existem Guias. As Guias da Região de Viana do Castelo também participam nesta iniciativa em Viana do Castelo, Ponte de Lima, Vila Nova de Cerveira e Vila Praia de Âncora, durante a manhã do próximo sábado, dia 25 de novembro.

“Vozes Contra a Violência” integra um projeto mais vasto lançado em 2011 pela Associação Mundial das Guias (WAGGGS) em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU) designado de “Stop the Violence, speak out for girls rights” (Vamos pôr fim à violência defendendo os direitos das raparigas). O projeto será implementado, até 2020, junto de mais de cinco milhões de crianças e jovens de todo o mundo.

Em Portugal, a iniciativa começou por ser dinamizada pela AGP junto das próprias associadas, em 2016, em cerca de 50 localidades e abrangendo cerca de duas mil Guias.

Face à ótima recetividade e aos bons resultados alcançados junto das Guias participantes e respetivas famílias, a AGP decidiu em 2017 alargar o projeto às escolas, através de ações de sensibilização conduzidas pelas próprias Guias junto dos seus pares.

Guias de Portugal

Falar de violência contra as mulheres aos 6 anos? E porque não?

Estima-se que sete em cada dez raparigas em todo o mundo experienciam algum tipo de violência ao longo da sua vida, que ocorre na esfera privada e pública e assume muitas formas, incluindo a violência no namoro, o bullying, entre outras.

No pressuposto de que a sensibilização para o tema deve iniciar-se nas idades mais jovens, o projeto desenvolvido a nível mundial, e implementado pela AGP em Portugal, assenta num kit de atividades e recursos desenvolvidos para crianças a partir dos seis anos.

“Naturalmente que nessas idades os temas abordados prendem-se sobretudo com o respeito pela diferença, o direito a expressar-se e a resolução de conflitos, abordados numa perspetiva muito lúdica, mas acreditamos que esta sensibilização preparatória é essencial para que estas crianças cresçam mais atentas, mais justas e mais esclarecidas”, destaca Sara Nobre, Presidente da Associação Guias de Portugal.

Para avaliar o impacto das ações realizadas, a AGP realizou junto de mais de 500 Guias questionários pré e pós implementação do projeto, tendo percebido que é também nessas idades mais jovens (5 aos 11 anos) que alguns preconceitos podem ser mais facilmente desconstruídos.

Guias de Portugal

ASSOCIAÇÃO GUIAS DE PORTUGAL

É uma Associação declarada de UTILIDADE PÚBLICA. Membro efetivo da Associação Mundial das Guias (WAGGGS). Membro honorário da Ordem de Mérito.

“Por exemplo, quando perguntado se a realização de algumas atividades – limpar a casa ou ter cabelo curto - era exclusiva de algum sexo, os questionários prévios à implementação do projeto evidenciam alguns preconceitos que foram esclarecidos através das atividades realizadas”, explica a Presidente das Guias.

Na faixa etária dos 12 aos 25 anos, o maior impacto manifestou-se ao nível da prevenção efetiva.

“Depois da implementação do projeto as nossas jovens manifestam-se muito melhor preparadas para saberem atuar numa situação em que são testemunhas ou vítimas de discriminação de género e violência. Isto é importantíssimo! Saber identificar uma atitude de violência não quer dizer que se saiba como atuar de seguida. Nessas idades precisamos de trabalhar estes aspetos, pois a possibilidade de serem vítimas é maior”, destaca Sara Nobre.

Os questionários revelaram ainda que após a implementação do projeto as Guias sentem que podem fazer algo para diminuir a discriminação de género e violência contra raparigas e jovens mulheres e nos questionários tiveram oportunidade de dar algumas sugestões: alertar a comunidade, ações de sensibilização nas escolas, realizar diferentes iniciativas que promovam a igualdade de género.

Baden-Powell

O fundador do Escutismo: Baden-Powell

Sobre a Associação Guias de Portugal

A Associação Guias de Portugal (AGP) é uma associação de utilidade pública, assente no voluntariado e que promove o Guidismo – movimento de educação não formal, baseado no método de Robert Baden-Powell.

Tem como missão proporcionar às raparigas e jovens mulheres a oportunidade de desenvolverem plenamente o seu potencial como cidadãs universais responsáveis, através de um método próprio: atribuição gradual de responsabilidade, fomentando o trabalho de grupo e a sua autonomia, comprometendo-se com a comunidade onde estão inseridas, tendo como espaço privilegiado de formação o ar livre.

A AGP é membro da Associação Mundial das Guias - WAGGGS - World Association of Girl Guides and Girl Scouts, que com 10 milhões de Guias espalhadas por 150 países.

Na Região de Viana do Castelo, as Guias existem desde 1976 e contam com hoje com Companhias em funcionamento em Viana do Castelo, Santa Marta de Portuzelo, Meadela, Cardielos, São Romão de Neiva, Ponte de Lima, Vila Praia de Âncora e Vila Nova de Cerveira.

Para saber mais sobre a AGP:

http://www.guiasdeportugal.org/index.php