Igreja profanada e assaltada em Argela de Cima, Caminha

Pensei várias vezes antes de escrever estas linhas. A Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo anuncia com todo o vigor possível a Ressurreição do Mestre. Esta é a sua missão: ser portadora desta mensagem de Vida. Por isso todos os dias a Igreja é notícia: milhões de pessoas em todos os cantos do planeta dão o melhor das suas existências, a fim de que A Vida chegue a todos. Cristãos que se dão, Cristos que se vão doando a tantos no silêncio do dia a dia… Não aparecem nas revistas, nem abrem telejornais, mas são do melhor que pode haver, já que transmitem “O Sumo Bem”, que é Deus!

Por isso que me causam alergia algumas “notícias” sobre a Igreja! Quando acontece algo dramático e de pecado no seio da Igreja, surge logo nas páginas dos jornais, mesmo os mais pequenos: vejo no meu dia a dia: nas nossas aldeias do Alto Minho, a Igreja respira vida: todos os dias, mesmo todos, há alguma coisa na aldeia, porque a Igreja está lá: seja dentro do templo, seja nas camas dos hospitais, nos lares dos mais sós, nas catequeses, movimentos ou grupos… porém, pouco se noticia! Mas quando no dia de Natal houve um incêndio na Igreja em Venade, o telefone não parava de tocar para dar entrevistas ou para saberem mais dados para fazerem notícias! O desastre e a dor, para muita gente é notícia, a tal ponto que se algumas páginas de alguns jornais forem torcidas, “escorre” sangue!

O que aconteceu em Arga de Cima ontem foi “notícia”, pelas piores razões: a igreja paroquial de Santo Antão de Arga de Cima foi assaltada. Descobrimos de manhã, quando o sr. Fernando e a Dª Maria iam colocar as flores que foram comprar para o andor de Nossa Senhora de Fátima para a procissão de hoje.

Chegaram lá e porta da igreja estava fechada, mas não tinha o canhão da fechadura: uns ladrões estouraram a fechadura, entraram na igreja, e quando foram embora, fecharam a porta novamente, parecendo, ao longe, que nada tinha acontecido.

Na porta do fundo arrancaram da parede os fios das luzes de presença. Na opinião da Guarda Nacional Republicana, foi porque a luz parecia uma câmara de vigilância.

Altar da Igreja

Dirigiram-se à sacristia, arrombaram o armário onde estavam guardadas as alfaias litúrgicas: roubaram o cálice  e a patena (felizmente o cálice de D. Bartolomeu dos Mártires está em Braga a arranjar, pois estava um pouco rachado); levaram a sagrada custódia da paróquia que se encontrava escondida no armário; roubaram o turíbulo e a respectiva naveta. Furtaram as âmbulas dos santos óleos. Pegaram na caixa da chave do sacrário que era toda em prata e roubaram-na e, com a chave, foram ao sacrário. Aí, arrancaram os véus e espalharam a Santíssima Reserva Eucarística, levando as duas píxides.  Não sabemos se levaram alguma partícula consagrada dentro das píxides, nem o que fariam entretanto com O Senhor. Remexeram tudo na sacristia, atrás da tribuna, no coro da igreja e até no sacrário do altar da Senhora do Rosário, que também tinha a chave guardada na sacristia. Com uma escada abriram o forro do teto da sacristia a ver se havia alguma coisa escondida...

Não levaram a cruz paroquial, nem qualquer imagem sacra.

Estou numa angústia que não sei dizer! Depois do incêndio na igreja paroquial de Venade no dia de Natal, virem profanar a igreja de Arga de Cima, mexendo no sacrário? Que gente é esta, que não respeita Quem é O Santíssimo Sacramento?!

Hoje celebrarei a Eucaristia com o cálice, a patena e a píxide da minha missa nova, pois não há, neste momento, em Arga de Cima, porém o que mais nos angustia é a profanação que foi feita ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento! É com lágrimas nos olhos, sangue na fronte e fel na voz que, como Madalena dizemos: “levaram o meu Senhor e não sei onde O puseram!” (Jo 20, 13).

Somos e seremos convidados pelo Anjo a rezar com os Pastorinhos “Peço-Vos perdão para os que não creem, não adora, não esperam e não Vos amam” e a todos peço que, com a Comunidade Paroquial de Santo Antão de Arga de Cima rezem: Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores".

Não vamos responder a questões para fazer notícias! Prestamos toda a colaboração à Guarda Nacional Republicana e à Polícia Judiciária, a quem está entregue o caso. Queremos, com esta missiva, alertar as Comunidades Paroquiais para a possibilidade da existência destes pesadelos se tornarem realidade e também para pedir as orações de todos os que, tendo fé, se possam unir a nós.

P. Paulo Emanuell, Arga de Cima, 21 / 05 / 2017

Altar da Igreja