Arcos de Valdevez

Câmara de Arcos de Valdevez confirma corte de árvores protegidas no Mezio

Na Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, ocorrida no passado dia 30 de novembro, a uma interpelação do deputado Álvaro Amorim (CDS), acerca das “árvores protegidas que foram cortadas no âmbito da obra do futuro Parque Biológico do Mezio”, o presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, apesar de lacónico e de não prestar grandes esclarecimentos, acabou por confirmar a notícia que o Minho Digital avançara em tempos recentes.

“Algo não está bem na democracia de Arcos de Valdevez”

A Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, ocorrida no passado dia 30 de novembro, viu a oposição suscitar aceso debate acerca do alegado défice da democracia local. O tema, lançado em mandatos anteriores, também alimentou a última campanha autárquica.

Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez aprovou orçamento com oposição a visar “políticas de continuidade”

A maioria avassaladora que o PSD detém na Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez aprovou as grandes opções do Plano e Orçamento Municipais para 2018. Na dialética política que animou o plenário sobraram críticas da oposição à estratégia a empreender pela Câmara. Apesar disso, dos 71 membros presentes, 59 votaram a favor, cinco rejeitaram a proposta (CDS e CDU) e os restantes sete optaram pela abstenção (PS).

Taxas e impostos que vão vigorar em 2018 nos Arcos de Valdevez

Sensível a uma proposta de “adesão à realidade”, apresentada por João Carlos Simões (PS), na Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, o presidente da Câmara aceitou introduzir uma pequena revisão à proposta de isenção do Imposto Municipal sobre a Transmissão onerosa de imóveis (IMT) nas aquisições efetuadas por jovens. Mas a medida preconizada pelo PS – aumento de três anos a cada um dos limites, tornando isentos de IMT os jovens dos 21 aos 38 anos e estabelecendo como limite a soma de idades em 76 anos – não foi colocada a votação.

Arcos de Valdevez: V Congresso Internacional trouxe dezenas de investigadores à “capital da Casa Nobre”

A Casa das Artes de Arcos de Valdevez acolheu, de 30 de novembro a 2 de dezembro, o V Congresso Internacional alusivo à Casa Nobre: um património para o futuro. A iniciativa, estreada em 2005 para pensar e valorizar as casas antigas, é “única na Europa”, fazendo de Arcos de Valdevez a “capital da Casa Nobre”, segundo disse ao Minho Digital Armando Malheiro da Silva, presidente da Comissão Científica.

Novo volume da obra Casas Armoriadas “é uma peça da História nacional e global”

No decurso do V Congresso Internacional Casa Nobre: um património para o futuro, foi apresentado o volume VI, tomo II, da obra Casas Armoriadas do Concelho dos Arcos de Valdevez, pela professora Isabel dos Guimarães Sá, que viajou pela história da casa do Casal do Paço (Padreiro). Trata-se de um importante património que herda a história familiar, social, genealógica, económica, empresarial e o próprio desenvolvimento regional.

Apresentado livro que “enriquece património etnográfico de Arcos de Valdevez”

Foi lançado, no passado dia 3 de dezembro, o volume A Festa de S. Bento do Cando – Memória de uma devoção serrana em terras de Soajo e Gavieira, com muito público a assistir no auditório da Casa das Artes. A obra, da autoria dos antropólogos José Pinto e Sandra Vieira, lega a história, a cultura e os valores da romaria, assim como o misticismo e a beleza do sítio.

Crónicas (assanhadas) da minha rua

Paula Teixeira de Queiroz

Paula Teixeira de Queiroz

Escritora

Fui ao "bairro" ver se encontrava inspiração e encontrei foi uma enorme constipação. Foi a vingança do Vasco Cromagnon assador de qualquer coisita que mexa, até de um rato faz o melhor churrasco; dos cães do sr. Mário que lambem a fruta ordeira e criteriosamente; do próprio sr. Mário que mantem a unha do dedo mindinho afiada como uma navalha, própria para todo o serviço; da Cacilda que apanhou uma tareia do sr. Mário, o próprio, por ter tirado o buço com cera cor-de-rosa no cabeleireiro da Jacinta, assim chamada por ser afilhada de uma das pastorinhas, já que a mãe a encomendou quase moribunda à santinha e se salvou.

Apanhados

Arcos de Valdevez: o que foi feito e o que falta fazer na área ardida depois do grande incêndio de agosto de 2016

O incêndio que teve origem no dia 8 de agosto de 2016, pelas 2.11, na freguesia de Cabana Maior, tendo-se propagado às freguesias de Soajo, Vale, S. Jorge/Ermelo e Cabreiro, e unido ao incêndio de Gondoriz, o qual só foi extinto no dia 16 de agosto, teve ampla repercussão nos meios de comunicação social e, nos dias seguintes, uma equipa governamental (primeiro-ministro incluído) esteve de visita à Porta do Mezio para anunciar um conjunto de medidas urgentes, como o restauro das matas do Mezio e do Ramiscal, cujas operações, porém, ainda não começaram.

Páginas

Subscreva RSS - Arcos de Valdevez